quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

PARIS-PEQUIM

Linha Paris-Pequim. Parada 171.
Me pediram pra escrever um artigo sobre prostituição, especialmente a masculina. Eu comecei varias vezes e não consegui fazer um artigo com vocabulário politicamente correto, ou academico ou... sei lá.
Um dia, a noite, eu sentei no computador e me veio a ideia de usar o nome Paris-Pequim. Porque? Porque essa linha não existe. Imaginei um de onibus no qual ficam esperando passar o onibus que não vai chegar nunca. Como as pessoas que vivem do mercado do sexo ficam paradas como se esperassem a condução... sem estar na realidade, estão na parada 171.
Aí nessa noite eu comecei a escrever, inspirado na ideia Paris-Pequim e não saiu o artigo; como de fato não dava pra sair. Começou entretanto a sair do teclado do meu computador um romance baseados em fatos verídicos, costurados por um profissional fictício.
Não sei se vai sair. Estou no trajecto. Te encontro em alguma parada. E se você estiver na parada 171, não se preocupe, aqui você tem alguém pra dialogar.

4 comentários:

naimesilva disse...

Marcelo, gostei de sua primeira postagem, e fiquei parada nessa parada. Espero ler outras paradas por aqui, porque o ponta pé inicial me deu agua na boca de continuar devorando suas palavras...quero ler o romance...Jokas da Naíme

Paulo Giacomini disse...

Isso, pode escrever mais. Muito mais! Afinal, de Paris-Pequim vc entende!!!

reginafigueiredo disse...

Chellinho, adorei o texto,
quem falou que você não escreve bem?
vou estar dando uma olhada sempre que der, vendo seus relatos.
bjs,
Regina

Will disse...

Aí, tchelão! Bota a boca no trombone, porque essa música vc conhece!